Horários de Missas

Terça à Sexta, às 18h.
Sábado, às 16h.
Domingo, às 8h30,11h e 19h.

Notícias da paróquia › 25/05/2015

Existe oração ineficaz?

A oração muda nosso coração, faz-nos compreender melhor como é o nosso Deus. Mas para isso é importante falar com o Senhor não com palavras vazias, mas com a realidade “e, diante dessa realidade, nos perguntamos: existe oração ineficaz?”, como bem lembra o Papa Francisco. Muitos são os pedidos que acompanham o momento de oração e cada um deles traz em si uma angústia que determinada pessoa vive na vida. Quando nos recolhemos em oração, trazemos conosco tudo aquilo que vivemos.

Nossa vida e os seus mais diversos desdobramentos são matéria-prima para o diálogo com Deus. Ele é o nosso amigo,nosso confidente, nossa resposta diante das angústias existenciais.

Se com um amigo partilhamos a vida, que dirá com Deus, nosso melhor Amigo!

Cada pessoa tem suas dores e alegrias, e as leva consigo em seus momentos de oração. Não nos cabe julgar aquilo que parece futilidade aos nossos olhos, pois cada um sabe o peso que sua alma carrega. Deus, em sua infinita misericórdia, saberá compreender aquilo que ao nosso parecer pode se apresentar como fútil. A resposta de cada oração dependerá da vontade do Senhor para a vida de cada pessoa. Deus tem os seus planos para cada ser humano e, muitas vezes, os nossos planos e projetos não são aqueles que Ele sonhou para nós. Caberá a cada pessoa observar a delicadeza das respostas do Senhor no cotidiano da vida, ver nos acontecimentos simples suas respostas extraordinárias.

Não podemos dizer que existe oração ineficaz, mas que as respostas de Deus podem ser aquelas que não esperamos
receber. Ele nos escuta com amor, mesmo que aos olhos humanos as nossas súplicas pareçam desnecessárias. Mas ouvir não significa atender. Deus sabe o que é bom para nós, atender as preces segundo as necessidades reais de cada pessoa.

Na oração, encontramo-nos com o Amigo que nos ouve com amor e nos atende segundo o seu coração. Não tenhamos medo de nos aproximarmos de Deus, mas aprendamos a acolher suas respostas com delicadeza e sem revoltas. Deus quer o nosso bem, mesmo que, a princípio, não compreendamos o que Ele nos fala.

Adaptado de Texto: SOBREVIO, Padre Flavio

Tags: