Horários de Missas

Terça à Sexta, às 18h.
Sábado, às 16h.
Domingo, às 8h30,11h e 19h.

Notícias da paróquia › 03/04/2017

A Conciência da Preservação Ambiental

A Constituição diz que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.
Mas o que é meio ambiente? É o conjunto de fatores que permitem, abrigam e regem a vida, em todas as suas formas. Esse conceito é tão amplo que inclui tanto o meio ambiente natural (os bens da natureza, como o solo, a atmosfera, a água, as formas de vida), como o meio ambiente artificial (o espaço urbano construído), como, enfim, o chamado meio ambiente cultural (o urbanismo, o paisagismo, os bens e valores artísticos, estéticos, turísticos, paisagísticos, históricos, arqueológicos etc.).

Como parte que é da natureza, o ser humano deve dela tirar proveito dentro de limites éticos que levem em conta as necessidades não só das gerações atuais como das futuras, e que, sobretudo, respeitem todas as formas de vida. Não se admite que os particulares ou o governo satisfaçam seus próprios interesses imediatos em detrimento das necessidades coletivas, em prejuízo muitas vezes de terceiros e até mesmo de pessoas que ainda nem nasceram.

O uso irresponsável ou irregular dos recursos naturais destruirá ou contaminará os mananciais, promoverá a erosão, poluirá a atmosfera, alterará o clima, eliminará espécies vegetais e animais… O resultado é certo: advirão danos incalculáveis com a degradação do habitat em prejuízo de todas as espécies animais e vegetais, que são frutos da criação divina.

A consciência da preservação ambiental não é um problema que diz respeito apenas à população, mas também aos governantes. A Campanha da Fraternidade deste ano tem como tema “Biomas Brasileiros e Defesa da Vida: cultivar e guardar a criação”. A grande diversidade dos nossos biomas e a valorização das nossas belezas naturais têm, pois, sido objeto próprio de preocupação da Igreja. Ela tem um importante papel nesse trabalho de conscientização, uma vez que a todos nós cabe o dever não só de preservar a natureza e de reparar os danos ocorridos, como também o de fiscalizar e combater o comportamento de todos aqueles que danifiquem ou até mesmo ponham em risco
o ambiente. Afinal, os danos ao meio ambiente afetarão todas as formas de vida, não só a de animais e plantas, mas inclusive a dos próprios seres humanos.