Horários de Missas

Terça à Sexta, às 18h.
Sábado, às 16h.
Domingo, às 8h30,11h e 19h.

Notícias da paróquia › 03/04/2017

Esperança, uma História de Fé

Encontra-se no Arquivo da Torre do Tombo, em Lisboa, um documento histórico em que Pero Vaz de Caminha, escrivão da Armada
de Pedro Álvares Cabral, relata as primeiras Missas rezadas em terra brasileira no esforço missionário de evangelização que sempre esteve na base dos Descobrimentos portugueses. A primeira Missa aqui foi rezada em 26 de Abril, a segunda em 01 de Maio, ambas, segundo a tradição, na presença da imagem de Nossa Senhora da Esperança, que ainda hoje se venera em altar próprio na Igreja Paroquial de Belmonte, diocese da Guarda, na província da Beira Baixa em Portugal.

Na nau capitânia de Pedro Álvares Cabral, nascido em Belmonte, ia entronizada para veneração dos mareantes esta imagem de Nossa Senhora da Esperança. Da escola de João de Ruão, a imagem, de pedra, pesa noventa quilos; Nossa Senhora tem o Menino Jesus ao colo, no braço esquerdo, e uma pomba na mão direita que o Menino olha, enlevado. A pomba, de asas fechadas, desde o episódio da Arca de Noé, parece ser também o símbolo teológico da esperança.

Como se sabe, o culto a Nossa Senhora da Esperança é muito antigo, remonta aos primeiros séculos da história da Igreja. Mas a sua oficialização ocorreu no X Concílio de Toledo, em 656, quando ficou determinado o dia 18 de Dezembro para a solene festa da Expectação do Parto de Nossa Senhora, também chamada festa de Nossa Senhora da Esperança, havendo durante toda a novena bênçãos especiais para as senhoras gestantes. Em certas regiões da Europa, quando uma senhora está na véspera de dar a luz, está esperando o seu nenê, costuma-se dizer: – “Ela está na esperança”; sendo também tradicional o costume de apresentar a criança a pia batismal envolta no mesmo véu de noiva de sua mãe, pelo fato dos dois mistérios: virgindade e maternidade se concretizarem numa mesma esperança. O culto a Nossa Senhora da Esperança data de há muitos séculos e afervorou-se no ciclo dos Descobrimentos pela fé intensa dos Navegadores, que se colocavam
sob a sua proteção tutelar de Nossa Senhora.